terça-feira, 14 de abril de 2009

... Saudades


… No dia seguinte apressei me a entrar no elevador com a esperança de o encontrar lá dentro… nem sinal dele… podia já estar lá em cima… animei me… o meu coração foi acelerando conforme ia subindo… decepção… Dona L. informou que ele não viria nem naquele dia nem no seguinte… três dias sem o ver … que saudades que eu tinha da sua voz … do seu olhar… das suas mãos… dos… seus… beijos… senti me a sufocar… respirei fundo … pedi à Dona L se ele ligasse ou se ela conseguisse falar com ele novamente para me passar a chamada… tinha de o informar que tínhamos de entregar o quarto… à tarde foi ele que ligou e pediu para falar comigo… assuntos de trabalho… quando ouvi a voz dele fiquei com um nó na garganta... as palavras não saíam… ouvi várias vezes ele chamar o meu nome... pensando que a chamada tinha ido abaixo desligou sem que eu conseguisse emitir um som… a minha mão tremia pousada no telefone… o telefone voltou a tocar… estremeci de susto… era ele novamente… limpei a garganta para ele ouvir que eu estava em linha… respondi um sim quase mudo… ouvi as instruções que ele tinha para me dar num tom muito profissional… depois já mais calma falei lhe do quarto… ele confirmou o combinado com Madame Janine… voltou de seguida a falar de trabalho, já tinha detectado o problema estavam em negociações com o cliente da Costa do Marfim e enquanto não ficasse resolvido não voltaria à capital… despediu se de maneira formal… tentei abstrair me desta indiferença mergulhando no trabalho com afinco.. nem dei pela hora passar… continuava sem vontade de ir para casa… desde que o conheci habituei me a viver o dia a dia… numa correria …num alvoroço… numa excitação… e agora não havia nada… sentia falta dessa adrenalina que me fazia sentir viva… tinha de voltar a organizar a minha vida... seguir outro rumo procurar outras motivações… voltar a sair com o meu grupo de amigos… mas… nem esse pensamento me alegrava… precisava um pouco mais de tempo…
Ele só veio na sexta a tarde… tinha um ar cansado… estava a conversar com Dona L quando cheguei, após a hora do almoço… os nossos olhares se cruzaram … pareceu me ver por uns instantes um brilho nos seus olhos mas ele desviou o olhar… apeteceu me correr para os seus braços … cobrir lhe de beijos… mas precisava de receber um sinal dele… precisava de sentir que ele também queria isso… não consegui ficar muito tempo na presença dele … voltei ao meu gabinete com as lágrimas quase a saltarem dos olhos… mas não deixei que elas saíssem

10 comentários:

Mary disse...

Gosto tanto de te ler, tanto! beijinho

Momentos...volupté! disse...

Amo essa sua história...

Beijos...

VERTIGO disse...

Primeiro a Nostalgia, agora a saudade edepois o encontro cheio de...

Ótimo e fico pensando se está inspirada...

Beijos!!

Tetê disse...

vou ler todos, mas do começo...
já digo porém, que tem um toque sensual implícito...
isto que é bom...
bj

Anónimo disse...

adoro ler-te e tenho a sensação que estamos tão perto...

Alentejano

Momentos...volupté! disse...

KKKKKKKKK...

Felina, é uma região de interior, ninguém anda de capacete e pólicia esta hora estar a dormir!!!

Beijos...

O Teórico disse...

Gosto muito de te ler!

beijos

Momentos...volupté! disse...

Felina,

As belas paisagens do interior e todas as surpresas que nos traz...

Beijão

NM disse...

Muito bom...
Um beijo...
NM

Ari disse...

"Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida."

(Autora: Clarice Lispector)