terça-feira, 7 de abril de 2009

... Nostalgia

(foto de Sascha Huttenhain)

... Cheguei ao piso 12 sem energia … o P ia ficar fora todo o dia … o rosto de Dona L. denotava preocupação, era bom que o P encontrasse alguma falha do cliente ou pelo menos que o prejuízo fosse dividido pelas duas partes. Depois de conversarmos um pouco sobre a empresa contei lhe que fui a casa do filho dela… o rosto dela iluminou se … perguntou me logo como estava o M… se a colheita estava a correr bem… já alguns meses que não via o filho, embora falassem por telefone… ele preferiu fugir da cidade e dedicar se à produção de champanhe, aliás o sonho de Dona L. e do Sr administrador era irem viver para Reims e deixar a capital, sempre pensaram que o P ficaria com a empresa , mas os planos do P eram outros, ele queria mesmo regressar à terra dos antepassados … Itália… o Sr. administrador não queria cometer o mesmo erro do seu pai… frustrar os sonhos do seu filho já bastou terem frustrado os dele… nenhum dos filhos optou por ficar com a empresa do pai… Dona L segredou me que o Sr. Administrador fez questão de viajar ele próprio em prospecção e pedir ao filho para o substituir na empresa com o intuito de o atrair para a empresa e talvez ele desistisse de ir para Itália… eu também gostaria que ele desistisse mas nunca lhe pediria isso…
O dia passou penoso… o P não deu sinal… Dona L. ligou para as instalações fabris para tentar saber se o processo estava a correr bem mas não foi possível falar com ele… não me apetecia ir para casa … deixei que os meus passos me levassem ao quarto do pintor… a cama estava montada… a Madame Janine era um doce de pessoa… aliás todas as pessoas que conheci na época com a idade dela eram simpáticas, tolerantes, com uma alegria de viver que não se via nos jovens … talvez por na juventude delas terem vivido o horror da Segunda Guerra Mundial dessem mais valor ao que é realmente importante… em cima da cama estava o livrinho das 101 posições… sorri… será que ela esteve a ver … desci e fui até ao apartamento dela … tinha de perguntar quanto era o conserto da cama… abriu a porta com o seu habitual sorriso… não aceitou o dinheiro… mas informou que o pintor apareceu… e quer novamente o quarto… desconhecia este acordo que ela fez com o P alugaria o quarto mas se o pintor voltasse teria direito ao quarto… ela estava mesmo desolada… o pintor não apareceu por uns tempos porque faleceu o pai… andou um pouco perdido mas agora queria acabar os estudos, já fazia 3 anos que ele vivia ali já se tinha afeiçoado a ele … tínhamos uma semana para deixar o quarto…. perguntei se a podia incomodar de manhã cedo para tomar banho… decidi ficar a dormir lá aquela noite sozinha queria me despedir do quarto e dos bons momentos que ali tinha passado… já não sabia se regressaria aquele quarto as coisas com o P esfriaram um pouco… Madame Janine convidou me a fazer lhe companhia ao jantar…ficamos horas a conversar … contou me historias maravilhosas da sua vida …dos romances… … ficou solteira por opção … queria ser livre… só tinha pena de não ter alguém com quem conversar… regressei ao quarto… pela ultima vez ouvi os discos do pintor… cada musica fazia me reviver momentos passados com o P… as lágrimas rolaram pelo meu rosto sem que eu conseguisse parar… adormeci com o rosto molhado….

4 comentários:

Momentos...volupté! disse...

Acho muito legal ler isso aqui...

phantasia disse...

Há mágoas que o tempo... nunca apaga... (e que nós lá no fundo... não as queremos apagar também...)

VERTIGO disse...

Ola!! Passei para desejar uma Feliz Páscoa!!

O Teórico disse...

Maravilha de post!