terça-feira, 9 de dezembro de 2008

... Sous le ciel de Paris

… Deitamo-nos no sofá, tanto eu como ele não tínhamos pressa em nos separarmos, já estávamos juntos há 3 horas, claro que já não tinha autocarro para regressar a casa, mas isso não me preocupava, era tão bom estar nos seus braços que mais nada importava… tínhamos de encontrar um espaço só para nós, onde não fossemos interrompidos…. e… já deixamos marcas das nossas aventuras na alcatifa … no sofá… e está a ser difícil elimina-las o que irá pensar o Sr. Administrador quando regressar do estrangeiro… pensando nele, recordou-me, novamente, o romance dele com a Dona L, e o primeiro ninho de amor que eles tiveram num bairro simples de Paris. Eram umas águas furtadas envidraçadas, e enquanto ela me confidenciava o seu segredo, o seu olhar ficava ausente como se tivesse a viver esses momentos noutra dimensão, momentos delirantes sobe o olhar atento das estrelas… ou momentos intensos com a musica da chuva a cair … ou com a beleza da neve . Estremeci com estes pensamentos, ele abraçou me e perguntou se eu tinha frio, aproveitei para lhe falar em termos o nosso espaço, ele achou boa ideia, tínhamos de falar com dona L. para nos ajudar a encontrar o nosso ninho… e continuamos deitados saboreando a pele e o cheiro um do outro…

4 comentários:

F.A disse...

Olha,amiga...pras nódoas experimenta o "cilit bang" e na proxima leva um lençol ou uma manta!
Quanto ao cantinho só vosso, acho muito bem...nao ha nada como um espaço onde ninguem nos interrompe,basta um T1.
Boa sorte!

Bento disse...

E a capacidade narrativa continua...

Pearl disse...

Bem é impossivel não imaginar as estrelas, neve, a lua e depois o amanhecer lugar desses assim...

beijos

Ana Laranja disse...

Obviamente os pombinhos não conheciam o poder tira-nódoas dos dodots... :)