segunda-feira, 2 de agosto de 2010

... Ao entardecer


… No dia seguinte só acordamos com o barulho da campainha… tinha chegado o camião para carregar as caixas de roupa para serem entregues na Cruz Vermelha… íamos ter a tarde livre para passear, o Sr administrador só no dia seguinte é que viria seleccionar os seus pertences para levar para casa de dona L com quem passou a viver , ele teria também de decidir o que fazer com as louças , bibelots, mobílias e peças de arte, por isso à tarde decidimos visitar os monumentos de Paris… enquanto me vestia o P olhava para mim com um brilho nos olhos e com um sorriso malandro… ele tinha algo em mente… tinha de me preparar para a aventura… chegou perto de mim … baixou se … senti as suas mãos a subirem pelas coxas… enquanto me tirava as cuecas foi me beijando suavemente nas saliências mais intimas deixando me quase sem forças nas pernas… levantou se cheirou as minhas cuecas e guardou as no bolso das calças… percebi que era para sair assim à rua, o vestido era um pouco rodado , mas fiquei tranquila não estava vento… a expectativa do que poderia acontecer mais o facto de estar sem cuecas humedeceu me… visitamos os monumentos calmamente, ele continuava com o mesmo sorriso… ele congeminava algo mas ainda não queria partilhar comigo por muito que lhe perguntasse… íamos nos beijando sempre que nos apetecia… aliás não éramos os únicos o dia estava lindo … o sol quentinho … as sombras dos jardins estavam repletas de jovens namorados … viajávamos de um lugar para outro de metro, as pessoas idosas sorriam de nos ver aos beijos deviam se lembrar dos seus tempos de juventude… como se o beijo publico fosse previlégio só dos mais novos… lanchamos numa belíssima esplanada nos Champs Elysées … fiquei toda a tarde ansiosa para saber o que ele tinha reservado para mim, chegamos à Torre Eiffel ao entardecer , ele guardou este monumento para o fim, subimos até ao primeiro andar a pé … demos uma volta para apreciar a paisagem... o jardim do Trocadero visto daquela perspectiva era magnifico… a côr do céu era de um azul lindíssimo já não era dia mas também ainda não era noite... já se via a primeira estrela… ele encostou se a mim e senti o com tesão… estremeci de desejo … já sabia o que ele tinha em mente… sussurrou me ao ouvido para subirmos ao segundo andar… uma onda de calor invadiu o meu corpo … a excitação era crescente … subimos contrariando o movimento daquela hora a maioria das pessoas já iam descendo ... mentalmente iamos nos devorando... os nossos olhos traíam nos… chegamos... um pouco cansados... ofegantes... encostamos nos ao gradeamento … o panorama era imenso… lentamente demos a volta ao patamar do segundo andar da torre, não era permitido ir até ao 3º para pena nossa… ficamos ali mesmo… o azul do céu estava mais intenso já se viam mais algumas estrelas… beijamos nos longamente … demos alguns passos procurando um lugar sem gente virei me de frente para a paisagem… encostei me ao gradeamento… ele encostou se por trás … beijou me o pescoço… acelerei… a mão dele levantou me o vestido... senti a sua mão quente entre as coxas já humidas … ajudei o a soltar o seu pénis… e entrou em mim lentamente… movimentos lentos… palavras soltas… sussurros… gemidos abafados… sobe aquele céu azul que pareceu ainda mais cintilante naquela já quase noite ...

4 comentários:

Venus in red disse...

Nestas "pequenas" coisas, roi-se a rotina... adiciona-se emoção!

Os gestos simples e sedutores, olhares profundos e maliciosos... dão condimento... puro tesão...




Basium

Jota Ene disse...

Hum... intensidade às vezes é a melhor forma p'ra começar, ou terminar!

Gostei dos beijos no metro, rs

Andy. disse...

Primeira vez que visito este blog e nao parei enquanto nao cheguei a este ultimo post. Venho agradecer os momentos que me porporcionou com a sua escrita. É diferente e fantastico. É uma historia que prende. Peço entao que publique mais frequentemente, senao os leitores morrem de curiosidade.
Mais uma vez, parabéns e bom trabalho. :)

Serge disse...

gostei ;)

bj doce